quinta-feira, 29 de maio de 2008

A União faz a Forka

Eu acho... que "Odeio baratas. Prefiro as formigas, mas não criaria nenhuma como animal de estimação. (Elas fazem cócegas quando sobem pelo seu corpo). Então achei melhor determinar que não posso ter nenhum bicho com tamanho suficiente para se perder debaixo dos meus próprios pêlos dos braços.

Voltando às baratas, já disse que não gosto delas, mas outro dia vi uma levando uma surra de um batalhão de formigas, que até me deu pena. Tentei imaginar o que a condenada tinha feito para estar naquela situação. Ainda estava viva, porque as anteninhas se mexiam e as patinhas se sacudiam no ar como se ela estivesse andando de bicicleta. Mas as formigas se alternavam: umas agarravam por cima, outras por baixo, e ficavam correndo, mudando de lugar. Parecia que não parava de chegar formiga, dava até impressão que elas estavam saindo do chão.

Só que não era; é que elas são muito ativas, ficam trocando de posição e não se conformam de bater no mesmo lugar o tempo todo. Quando cansam de dar um soco de direita, trocam com a companheira para dar um de esquerda. E elas podem ficar dando vários golpes de esquerda e direita, direita e esquerda, pois as formigas têm seis patas. Até uma se cansar de bater, a barata já está dolorida. Imagina umas 50 delas caindo em cima da pobre...

Mas o interessante nessa briga é que a barata era muito maior do que todas as formigas juntas. Acho que nem colando todas as pequenininhas daria uma barata do tamanho daquela. E por que ela não reagia? Por que não ameaçava comer aqueles pontinhos pretos espancadores de baratas? Acho que baratas não comem formigas. E as formigas sabiam disso, espertinhas!

De qualquer forma, a barata tinha condições de dar uma patada em cada 10 formigas e sair correndo. Nisso eu parei para pensar que era para não deixar isso acontecer, que as formigas ficavam correndo o tempo todo, alternando o lugar onde estavam. Quando uma patinha da barata se mexia, as formigas se concentravam mais ali, e assim iam cansando a criatura quase derrotada no chão. Claro, a barata era maior, mas as formigas estavam em grande número e tinham organização.

O povo brasileiro vive inconformado com as mudanças no país. Sempre um novo governo é chamado de pior do que o anterior. Somos todos vítimas da insegurança, agravada pela violência escancarada. Saúde, isso existe por aqui? O transporte sobe de preço, mas ninguém pega eles mais vazios por estar pagando mais. Da educação não precisa nem falar, basta pisar sem querer no pé de alguém para ver... Mas se tanta gente quer melhorias no país, na cidade, no estado, por que, afinal, ninguém se junta para reclamar?

Bom, reclamar fazem, mas só pelas costas. Adoram falar mal dos governantes, xingar a imagem do presidente na televisão, cuspir na foto do governador no jornal... mas e pessoalmente, por que ninguém fala nada? Não estou incentivando ninguém a cuspir nos outros, não, muito menos tacar tortas ou dizer coisas ofensivas. Mas por que nas horas boas, como torcer pelo Brasil na Copa, todo mundo caminha junto? Por que os blocos de Carnaval vivem lotados? Na hora de brigar pelos direitos, até sobra coragem, mas falta é gente!

Ah, se todos pudéssemos aprender com as formigas. Um povo tão grande com medo de falar o que pensa para uma minoria que nos lidera. É por não sabermos nos unir que estamos deixando as baratas do governo nos devorarem, mesmo que elas não comam formigas como nós. Construímos a corda para prender a desigualdade, mas na hora de usar, todos corremos. Com isso... nunca capturamos as baratas e somos nós os enforcados pela opressão."... eu acho!

10 comentários:

Fernanda Mourão disse...

ainda não li o texto, pois estou na Múltipla, mas só a apresentação já gera coments,.rss. O seu texto explicou tão bem o dialogismo, que eu estou estudando para a monografia..hahaha.. perefito o texto inicial muito legal..

Conrado disse...

mt boa a analogia... realmente é uma pena q o povo brasileiro não seja como as formigas, que se organizam e através da união derrotam inimigos inúmeras vezes mais fortes!!! atualmente o povo brasileiro só sabe se reunir para ocasiões festivas, e nunca pra exigir seus direitos perante os governantes... sempre abaixam a cabeça e esperam q outra pessoa o faça... acontece q o outro tb pensa q o "outro" vai fazer alguma coisa!!! ao invés de esperar pelo outro se levantar, levante-se vc msm... assim os outros vao se erguer tb...

Elena disse...

Reven Reven...vc é um dos muitos que sabem o que eu penso de gente acomodada que se senta juntinha no sofá só pra ver novela. De gente que na hora do vamos ver finge que não é com eles. todos falam sim mal dos governantes, mas presta bem atenção, quando um candidado vai em um bairro pobre o que acontece? todos se juntam ao redor dele e o cultuam...isso mesmo, não estou exagerando...cultuam alguém que vai simplesmente tirar-lhes tudo que puder...isso se já não fez, e mesmo sabendo o povo ainda continua a ser "fã" de quem tem dinheiro...mesmo que o dinheiro tenha saído do bolso deles.

Rodrigo disse...

Nossa !!!
Realmente essa analogia é muito boa! Pena que é uma realidade o povo Brasileiro ser como as baratas, eles poderiam ser as formigas né!! Mas fazer o quê???
A unica solução é o veneno para insetos, porém ele mata formigas e baratas !!! Por isso temos que saber usa-lo.

Lua disse...

eh isso aí.Temos que parar de pensar e agir mais!!!

Beatriz Maria disse...

Sabe.. acho que o problema do povo brasileiro não é a falta de organização.. O que falta nesse país é vontade... As pessoas esperam que as coisas mudem, mas não correm atrás. Não vêem o horário eleitoral por que é chato, não conhecem seus candidatos por que preferem não se envolver com política ou por simples preguiça votem em qualquer um..
quantos sabem em quem votaram pra vereador na eleição passada? e dos que sabem, quantos os cobram por melhorias? Isso falando em pequena escala.
As pessoas não se organizam, não saem as ruas pedindo que aquele filho da mãe devolva todo o dinheiro da cueca pro povo, pq acham que o outro ali do lado vai fazer isso.
Esperam melhores empregos e salários mas quantos dos que tem oportunidade de estudar e crescer na vida realmente o tentam fazer.
O povo brasileiro anda preguiçoso e nem liga pro que acontece a sua volta... acho que o problema é esse

Diessika disse...

- Diogo, mesmo com tantos problemas no Brasil eu não culpo “tanto” o governo assim, o povo que deveria reivindicar justiça, posses, melhorias, mas a maioria não têm como ação social chegar a um lugar para discutir as coisas boas e ruins que acontecem, eles só ligam para reclamar e fazer farra. Aqui em Palmas-Tocantins, tivemos um grande exemplo disso, um dia que chamaram os habitantes para discutir sobre o preço da energia, pouca gente foi. Em telefones públicos que são estragados, em muros que são pichados com palavras vulgares, com lixos jogados no chão, isso gasta o dinheiro que tiramos de nossos bolsos, e lembra que, apesar de tanta reclamação, o povo em si não faz a sua parte, o pessoal vêem objetos públicos não como seu e como parte de seu dinheiro e esforço, mas sim como algo que é do governo e que ele tem obrigação de cumprir, mas ninguém cumpre o seu papel. Alem disso, estragamos nossas crianças e ninguém esta se lixando pra isso, porque alem de carinho, a criança para ser um adulto responsável e sabedor de seus direitos também deve ter limites para saber se impor, se igualar e agir eticamente em meio dos outros, o que seria muito importante para sua vida adulta.
- “O mais importante é se organizar de maneira que a prática moral traduza o que se diz. Não adianta o professor falar de respeito e, no recreio, o aluno jogar impunemente papel no chão ou colocar o pé na parede. E o funcionário que cata papel e limpa parede? Na maioria das escolas só se fala de propriedade depois que o aluno roubou. Discute-se o valor da verdade apenas se alguém for pego mentindo. O mesmo vale para a educação infantil. A criança pode ficar bem em uma escola que só dita regras. Mas, a partir da 3a série, ela reivindica princípios. Se não forem colocados, isso gerará um vazio e as regras não serão mais obedecidas. As noções de moral e ética começam a ser construídas nessa fase” (La Taille – Revista época).
- Se não tivermos uma boa educação quando crianças, os adultos do futuro serão egoístas e mesquinhos como os de hoje em dia e não chegaremos a lugar algum. Um dos problemas, é que hoje em dia o futuro de uma empresa não é problema da pessoa, não sabe se vai estar nela amanhã e por isso não se da o trabalho de melhorar. Poucos tem a idéia de que juntos podem fazer melhorias, a maioria quer fazer e ganhar essas melhorias sozinhos, e assim acabam não se incomodando com a situação do outro. Não me importaria se um político roubasse se ele fizesse sua parte, porém todos querem mais e mais. Talvez a minha idéia de formigas e baratas esteja errada, porem é o que vejo muito no Brasil, que enquanto outros paises sentem orgulho e tentam melhorá-lo, o nosso só pensam em futebol e mulher pelada, e acabam se esquecendo de que, sozinhos, não somos nada.

Rafaela Abreu disse...

De fato as formigas são bichinhos dignos de estudo, compreensão e repudia também. Sabia que são elas o maior causador de infecções hospitalares, bem como destruidoras de eletrodomésticos? Terríveis, pelo fato de serem bem resistentes e nem sempre damos conta delas.
E se eu pudesse aprender algo com elas, seria com certeza o fato delas serem bem persistente, e seria como Marx só que através da formiga, aliás, Marx deve ter estudado por demais as formigas. As bichinhas fazem uma revolução diária para procurar seus alimentos diariamente. Ai vida de formiga deve ser um tédio...

Anônimo disse...

Analogia criativa e inovadora sobre algo nem sempre tão notado em nossa comunidade e sociedade atual. Parabéns!!!

www.portaldomarujo.com

José Feliciano disse...

O senso comum (que também pode representar a moral de uma época/população) é principal causador dos desvios Éticos.
ACHO que já vimos seres humanos agindo como formigas atacando um inocente acusado de um crime "imoral" e/ou Anti-ético , o mais interessante é que a mesma pelotinha que gritou, esperneou, bateu e gastou dinheiros com cartolina e pincel atômico (isto implica que ele não está procurando emprego, se está lá não está trabalhando, mas de onde tira dinheiros?) pedindo desculpas do linchamento.
Prefiro ser barata a formiga, afinal as formigas não existem além da coletividade e as baratas sobrevivem ao tempo e as formigas (diria a inseticidas, também).
Tenho a CERTEZA que qualquer um que fez um curso minimalmente introdutório de filosofia e chegou a vislumbrar o gigantesco abismo entre a Ética e o senso comum (muitas vezes a MORAL) entende plenamente o que digo. Quando ocorre a moralização de uma atitude anti-ética verificamos o declínio de uma sociedade.
Também podemos pensar que se a barata não correu e se livrou das famigeradas formigas é provável que: ela já esteja envenenada ou já esteja pra morrer de morte natural (tadinha, descanse em paz, minha filha).
Tudo bem, eu tenho mais nojo de baratas que de formigas, mas em questão de atitude, repito, prefiro ser barata a formiga.